Projeto Pedagógico do Curso

O perfil do formando em Letras configura-se na sua capacidade de utilizar os recursos da língua oral e escrita, articular a expressão linguística e literária, de modo a desenvolver sua competência sociocomunicativa em diferentes situações de interação social, como também ser capaz de atuar no ensino-aprendizagem da linguagem.
Embasados nesses propósitos, delineamos o Projeto Pedagógico do Curso (PPC) de Licenciatura em Letras de modo a possibilitar ao(à) formando(a) o ingresso no mundo do trabalho, em que ele/ela possa expressar:

a) capacidade de uso e compreensão da linguagem em diferentes situações de interação social;
b) domínio teórico e descritivo dos componentes fonológico, morfossintático, léxico, semântico e pragmático da língua portuguesa;
c) domínio de diferentes noções de gramática e (re)conhecimento das variedades linguísticas existentes; capacidade de compreender os usos da língua e a partir deles conduzir investigações à luz de diferentes teorias da linguagem;
d) capacidade de analisar criticamente as diferentes teorias da área da linguagem;
e) domínio ativo e crítico das manifestações literárias em língua portuguesa;
f) capacidade de compreender a literatura enquanto discurso;
g) capacidade de atuar na área da linguagem nas dimensões do ensino, da pesquisa e da extensão;
h) capacidade de desempenhar papel de multiplicador, formando leitores críticos e produtores de textos de diferentes gêneros e registros linguísticos, fomentando o desenvolvimento de habilidades linguísticas, culturais e estéticas;
i) atitude investigativa que favoreça o processo contínuo de construção do conhecimento na área e a utilização de novas tecnologias.


Conforme os princípios gerais que delineiam o perfil do profissional do curso de Graduação em Letras - Língua Portuguesa EaD, já esboçado no item anterior deste Projeto, o professor licenciado em Letras deverá possuir as seguintes competências e habilidades, comvistas a:
a) conhecer e compreender a realidade em que está inserido, a ponto de perceber as causas provocadoras dos problemas por ele(a) vividos, sendo capaz de interferir decisivamente no processo de transformação social;
b) conceber a linguagem como forma de interação, através da qual o indivíduo se constitui como sujeito e instaura o outro no processo dialógico que constitui a linguagem, para efetuar a comunicação na prática histórico-social;
c) priorizar uma metodologia de ensino cujo objetivo seja desenvolver a competência comunicativa dos usuários da língua, para torná-los capazes de utilizar o registro adequado nas diferentes situações de comunicação;
d) saber que ensinar é firmar um compromisso político com o aluno, a educação e a sociedade, de modo a formar pessoas críticas, reflexivas e capazes de conquistar a cidadania;

e) orientar o aluno no sentido de compreender os papeis e as funções da língua em si mesma e no seio da vida social e simbólica;
f) praticar um ensino interdisciplinar como elemento propulsor do conhecimento e da ciência, ou seja, trabalhar a interdisciplinaridade como meio para o aluno se desenvolver cognitivamente;
g) reconhecer, nas produções literárias, um espaço de registro de ideias que refletem em cada época as diferentes visões de homem, mundo e sociedade.


Para atender as metas do Plano Nacional de Formação de Professores da Educação Básica do Ministério da Educação (MEC) e do compromisso Todos pela Educação do Governo Federal a partir das metas mencionadas na Portaria n. 802, de 18 de agosto de 2009, sendo uma elaboração conjunta do Departamento de Letras Vernáculas, do campus Central e do então Núcleo de Educação a Distância da UERN, hoje Diretoria de Educação a Distância, em parceria com a CAPES e a Universidade Aberta do Brasil – UAB –, foram revistos os
componentes curriculares práticos que estavam com uma parte contada dentro dos Estágios e Trabalho de Conclusão de Curso (TCC).
Assim, o total de 300 (trezentas) horas de Práticas como Componente Curricular (PCC) foram diluídas em 20 disciplinas que são também teóricas. Em cada uma delas foram acrescentadas 15 h para a PCC. As 150 (cento e cinquenta) horas restantes foram distribuídas em três componentes de natureza prática: Prática de Análise Linguística (45 h), ofertada no 5º período; Prática de Produção Escrita (60 h), ofertada no 7º período e Prática de Leitura Literária (45 h), ofertada no 8º período.


O curso de Letras - Língua Portuguesa, na modalidade a distância, tem como princípios
formativos:
a) compromisso com a igualdade e a equidade educacional, como princípios fundantes da BNCC;
b) reconhecimento de que a formação de professores exige um conjunto de conhecimentos, habilidades, valores e atitudes, que estão inerentemente alicerçados na prática, a qual precisa ir muito além do momento de estágio obrigatório, devendo estar presente, desde o início do curso, tanto nos conteúdos educacionais e pedagógicos quanto nos específicos da área do conhecimento a ser ministrado;
c) respeito pelo direito de aprender dos licenciandos e compromisso com a sua aprendizagem como valor em si mesmo e como forma de propiciar experiências de aprendizagem exemplares que o professor em formação poderá vivenciar com seus próprios estudantes no futuro;
d) reconhecimento do direito de aprender dos ingressantes, ampliando as oportunidades de desenvolver conhecimentos, habilidades, valores e atitudes indispensáveis para o bom desempenho no curso e para o futuro exercício da docência;
e) atribuição de valor social à escola e à profissão docente de modo contínuo, consistente e coerente com todas as experiências de aprendizagem dos professores em formação;
f) fortalecimento da responsabilidade, do protagonismo e da autonomia dos licenciandos com o seu próprio desenvolvimento profissional;
g) integração entre a teoria e a prática, tanto no que se refere aos conhecimentos pedagógicos e didáticos, quanto aos conhecimentos específicos da área do conhecimento ou do componente curricular a ser ministrado;
h) centralidade da prática por meio de estágios que enfoquem o planejamento, a regência e a avaliação de aula, sob a mentoria de professores ou coordenadores experientes da escola campo do estágio, de acordo com este PPC;
i) reconhecimento e respeito às instituições de educação básica como parceiras 
imprescindíveis à formação de professores, em especial as das redes públicas de ensino;
j) engajamento de toda a equipe docente do curso no planejamento e no acompanhamento das atividades de estágio obrigatório;
k) estabelecimento de parcerias formalizadas entre as escolas, as redes ou os sistemas de ensino e as instituições locais para o planejamento, a execução e a avaliação conjunta das atividades práticas previstas na formação do licenciando;
l) aproveitamento dos tempos e espaços da prática nas áreas do conhecimento, nos componentes ou nos campos de experiência, para efetivar o compromisso com as metodologias inovadoras e os projetos interdisciplinares, flexibilização curricular, construção de itinerários formativos, projeto de vida dos estudantes, dentre outros;
m) avaliação da qualidade do curso por meio de instrumentos específicos que considerem a matriz de competências elencadas neste PPC e os dados objetivos das avaliações educacionais, além de pesquisas científicas que demostrem evidências de melhoria na qualidade da formação;
n) adoção de uma perspectiva intercultural de valorização da história, da cultura e das artes nacionais, bem como das contribuições das etnias que constituem a nacionalidade brasileira.

Baixar Arquivo
SIGAA | Diretoria de Informatização - DINF/UERN - (84) 3315-2222 | Copyright © 2006-2022 - UFRN - app02-uern.info.ufrn.br.producao02-uern